Tag Archives: Grã-Bretanha

The West and the rest

Niall Ferguson é um historiador muito polémico. Há quem ame, há quem odeie, mas certamente ninguém o pode acusar de ser aborrecido.

Bom exemplo disso mesmo é esta entrevista ao “Expresso”, em que decreta a morte do Ocidente.

A ler. Especialmente se discordar.

Anúncios

Maggie e Ron

Durante pelo menos vinte anos, a versão oficial sobre o posicionamento dos Estados Unidos face à Guerra das Falklands (ou Malvinas, se preferir) foi que teria havido neutralidade.
Os norte-americanos encaravam a disputa em torno das ilhas como um resquício anacrónico do desmantelamento do Império Britânico e não estavam dispostos a alienar os militares da Junta argentina, cuja colaboração tanto jeito dava num contexto de Guerra Fria, só para preservar o amor-próprio britânico.
Isto era o que se dizia, mas, como em tantas outras ocasiões, a verdade era outra. O testemunho de John Lehman, secretário da Marinha dos EUA em 1982, mostra-nos até que ponto a realidade divergia da aparência. Num artigo publicado no site do United States Naval Institute, citado pelo The Aviationist, Lehman conta que a Administração Reagan tinha decidido emprestar o porta-helicópteros Iwo Jima à Grã-Bretanha caso esta perdesse um dos seus dois porta-aviões nos combates.
Tudo isto terá sido acertado informalmente com o presidente Ronald Reagan, que terá mesmo recomendado ao secretário da Defesa, Casper Weinberger, “que desse a Maggie (Thatcher) tudo o que ela necessitasse para resolver o problema”.
Este episódio demonstra bem a profundidade da ligação estratégica entre Estados Unidos e Grã-Bretanha, que, no essencial, se mantém 30 anos depois.

Cisão transatlântica

As relações transatlânticas já viram melhores dias, mas também já viram piores (durante a presidência de George W. Bush). No longo prazo, as perspectivas não são famosas, à medida que o foco estratégico dos Estados Unidos se vira para Oriente.

Agora, um discurso do secretário da Defesa britânico, esmiuçado pela AOL Defense, põe as coisas em pratos mais limpos do que é costume. Basicamente, Phillip Hammond diz aos outros membros europeus da NATO para se deixarem de queixinhas e começarem a fazer o que é necessário para garantir a segurança da Europa.

Hammond assume mesmo que vai haver uma repartição de tarefas, e que isso é bom: os EUA vão lidar com a China e o Pacífico; a parte europeia da NATO vai ter de cuidar do seu quintal com pouca ou nenhuma ajuda do outro lado do Atlântico.

O problema é que os europeus não estão disponíveis para gastar mais com a Defesa, bem pelo contrário. A própria Grã-Bretanha, que tanto bate no peito pelo mão do seu secretário, está a realizar um conjunto de cortes brutais nesta área. 

Assim sendo, não se vê como é que vai ser feita a quadratura do círculo. As necessidades de segurança vão aumentar nos próximos anos, como é fácil de perceber, e os meios para as suprir são cada vez menores, porque os políticos tentam desesperadamente tapar os buracos desse enorme náufrago chamado “Modelo Social Europeu”.

Algo me diz que vamos ficar com pouco das duas coisas – pouca segurança e pouco Modelo Social Europeu.

Digno do “Dr. Estranhoamor” II

Nem inventando se arranjam histórias assim.

O excelente Crypto-Gram de Bruce Schneier dá-nos dois exemplos assustadores de como funcionava (ou ainda funciona, num dos casos) a activação das armas nucleares soviéticas/russas e britânicas.

Os russos, fazendo jus ao estereótipo, primam pela simplicidade e robustez dos seus métodos. Se o cofre onde estão guardados os códigos de lançamento dos mísseis nucleares não abre, então há que ter uma marreta mesmo ali ao lado, não vá a fatídica ordem chegar.

Bomba nuclear britânica
Foto: Marshall Astor

Os britânicos, por seu lado, também se mostraram fiéis ao estereótipo: cavalheiros, especialmente os da Royal Navy, nunca lançariam uma bomba atómica sem uma ordem superior adequada. Pensar o contrário seria “odioso” e, por isso, durante décadas, as armas atómicas da Grã-Bretanha podiam ser activadas sem recurso a qualquer código de segurança (vídeo a não perder).

No caso das bombas de gravidade da  Royal Air Force (RAF), havia ainda um requinte adicional: o passo final incluía a colocação de um cadeado de bicicleta (aloquete para os nortenhos).

Sem código.

Porque cavalheiros não matam milhões de pessoas sem autorização superior.

P.S. Nem de propósito: hoje é o 67.º aniversário do primeiro teste de uma bomba nuclear. Designado como Trinity, aconteceu em Alamogordo, no estado norte-americano do Novo México, em 16 de Julho de 1945.

Assim surgiu o “brinquedo mortífero de Oppenheimer”.