Digno do “Dr. Estranhoamor” II

Nem inventando se arranjam histórias assim.

O excelente Crypto-Gram de Bruce Schneier dá-nos dois exemplos assustadores de como funcionava (ou ainda funciona, num dos casos) a activação das armas nucleares soviéticas/russas e britânicas.

Os russos, fazendo jus ao estereótipo, primam pela simplicidade e robustez dos seus métodos. Se o cofre onde estão guardados os códigos de lançamento dos mísseis nucleares não abre, então há que ter uma marreta mesmo ali ao lado, não vá a fatídica ordem chegar.

Bomba nuclear britânica
Foto: Marshall Astor

Os britânicos, por seu lado, também se mostraram fiéis ao estereótipo: cavalheiros, especialmente os da Royal Navy, nunca lançariam uma bomba atómica sem uma ordem superior adequada. Pensar o contrário seria “odioso” e, por isso, durante décadas, as armas atómicas da Grã-Bretanha podiam ser activadas sem recurso a qualquer código de segurança (vídeo a não perder).

No caso das bombas de gravidade da  Royal Air Force (RAF), havia ainda um requinte adicional: o passo final incluía a colocação de um cadeado de bicicleta (aloquete para os nortenhos).

Sem código.

Porque cavalheiros não matam milhões de pessoas sem autorização superior.

P.S. Nem de propósito: hoje é o 67.º aniversário do primeiro teste de uma bomba nuclear. Designado como Trinity, aconteceu em Alamogordo, no estado norte-americano do Novo México, em 16 de Julho de 1945.

Assim surgiu o “brinquedo mortífero de Oppenheimer”.

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: