Tag Archives: Europa de Leste

They’re back…

chartoftheday_7551_heavy_us_army_equipment_deployed_to_eastern_europe_n

De mansinho, sem que se tenha notado por aí além, os Estados Unidos estão a reforçar a sua presença militar na Europa. Mais significativamente, estão a reforçar a sua presença blindada na Europa.

Este gráfico da Statista mostra que o número de carros de combate e viaturas blindadas ainda não é nada por aí além, mas o que importa aqui referir é que, até há poucos meses, ele estava reduzido a zero, ou quase.

Com o pivot estratégico dos EUA para a Ásia, a Europa estava a tornar-se num cenário secundário para Washington – e nós, portugueses, bem o sabemos, por causa do esvaziamento da base das Lajes -, mas agora as prioridades estão a alterar-se novamente.

O que explica esta marcha-atrás?

A Rússia, claro. A invasão da Ucrânia, o envio de forças para a Síria (que é como quem diz, para o Mediterrâneo) e a posição cada vez mais agressiva que Moscovo (muitas vezes por meios encobertos, outras nem tanto assim) vai tendo relativamente aos países bálticos e aos outros estados europeus que estão na sua fronteira europeia, fez tocar as campainhas de alarme no Pentágono e na Casa Branca.

E Trump? O seu “caso” com Putin irá levá-lo a pôr fim a esta “flexão de músculos” na fronteira leste da NATO?

Duvido. Especialmente agora que se confirma que o novo presidente teve uma “mãozinha” de Moscovo para chegar à Casa Branca. Para não se expor a mais críticas, e mesmo a eventuais tentativas de impugnação, Donald Trump terá de mostrar mais distanciamento relativamente à Rússia do aquele que tem tido até agora.

A não ser que Putin ofereça algo que os EUA tenham muita dificuldade em recusar…

 

 

Anúncios

(Des)união europeia

aqui escrevi sobre as fracturas que estão a surgir de dia para dia na União Europeia, e sobre as ameaças directas à sua paz que estão a surgir a Leste. Subjacente a tudo isto está uma história muito longa e complicada, que evoluiu muito em função da geografia do continente. Ora, o conhecimento da História e da Geografia parece ser  uma das coisas que menos abunda entre os líderes europeus e a população em geral, com os tristes resultados que se conhecem.

Robert D. Kaplan escreveu um magnífico artigo na The National Interest de Julho que pode servir muito bem como guia para qualquer pessoa interessada perceber como é que a Europa se formou, com toda a sua enorme diversidade geográfica, económica, política e cultural, e para onde pode ir. “O Mapa Dividido da Europa” mostra isso mesmo que o título indica: que apesar do esforço enorme de unificação do continente que tem sido levado a cabo nos últimos 50 anos, a Europa continua a ser um conjunto de regiões transfronteiriças com identidades e realidades bem próprias que se impõem frequentemente às vontades dos estados e dos políticos.

Kaplan confirma o já bem conhecido deslocamento do centro de gravidade da Europa para Leste, mas também não tem dúvidas de que ela se expandirá para Sul. Para ele, a fronteira natural da Europa será o Deserto do Saara, e o Mediterrâneo voltará a servir como elo de união entre as suas duas margens, e não de separação, como tem acontecido nos últimos séculos. A Grécia, por estar no centro desse mundo por nascer, será o “termómetro” da Europa nos próximos tempos.

Não sei se concordo com tudo o que Robert D. Kaplan escreve, mas o seu interesse e brilhantismo são inegáveis. Leiam, por favor.