Category Archives: Fundamentalismo islâmico

Crise dos reféns na Argélia

O que se temia há meses aconteceu: a penetração dos extremistas islâmicos no Mali alastrou a um país vizinho, neste caso a Argélia, provocando ali uma situação de grande gravidade.
No momento em que escrevo estas linhas ainda é cedo para dizer com certeza qual foi a dimensão da matança no campo de gás de Amenas, mas mesmo assim podemos tirar pelo menos uma conclusão.
Dada a rapidez e a violência da resposta militar do governo argelino, é notório que a sua preocupação com a sobrevivência dos reféns é secundária. A sua primeira prioridade é resolver o sequestro o mais rapidamente possível, evitando uma tempestade mediática que apenas beneficiaria os atacantes e, simultaneamente, a possibilidade de interferências externas. Não é por acaso que o primeiro-ministro britânico, David Cameron, já veio dizer que gostaria de ter sido avisado com antecedência da acção militar argelina. Ele não foi e Obama também não deve ter sido.
Com esta resposta em força. os argelinos tentam dar um aviso muito forte a todos os extremistas que possam sentir-se tentados a copiar o exemplo de Mokhtar Belmokhtar: não negociamos, não cedemos e não esperamos; quem usar a força contra nós terá como resposta imediata a força, independentemente de haver estrangeiros no meio ou não.
O governo de Argel não admite ameaças à principal fonte de receitas do país, o gás natural. Ataques deste tipo podem causar-lhe enormes danos económicos, e até instabilidade política.
É preciso também não esquecer que a Argélia é o terceiro maior fornecedor da Europa e que 40% do abastecimento português vem dali, fazendo da Argélia um dos nossos maiores parceiros comerciais. Este mapa mostra bem como é que os dois países estão muito mais próximos e unidos do que poderia parecer à primeira vista. Portugal tem interesses, e bem grandes, a defender na Argélia.

O Mali é já ali

Já que estamos a falar de crises quase ignoradas, aqui fica mais uma – a rebelião fundamentalista do Mali, que até já deu origem à declaração de independência do “estado” de Azawad. Diz o Intelnews, apoiando-se num artigo da Associated Press, que a França está a tentar convencer os EUA e outros países ocidentais a realizarem uma intervenção militar concertada naquele país.

É claro que não estamos a falar de uma acção de grande escala, com tropas da NATO a entrarem Azawad adentro, mas de algo muito mais limitado e selectivo, como o envio de aeronaves não tripuladas (que Paris já parece estar a fazer) e de equipas de operações especiais, cuja principal função será apoiar e aconselhar o exército maliano e outras forças locais que possam ser congregadas para o combate à rebelião.

O governo de Paris diz estar muito preocupado com a possibilidade de Azawad se tornar num novo santuário da Al-Qaeda, mas é óbvio que também não será desprezível para os seus cálculos o facto de sempre ter considerado esta zona de África como um “quintal” da sua política externa. A França é muito ciosa da sua influência e poder naquelas bandas, e liderar o esforço para eliminar a ameaça fundamentalista que ali se verifica é mais do que uma necessidade – é quase uma obrigação.